quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Os Grupos Políticos do Grêmio

Do ponto de vista da política clubística, as maiores queixas da sociedade gremista (torcedores, sócios e conselheiros), sempre se relacionaram, por um lado, com o acirramento das disputas e a consequente falta de união em torno da instituição e por outro com a personificação do poder, que, invariavelmente levou à busca de soluções de comando em exemplos vitoriosos do passado, às vezes nem tanto.

A criação de grupos políticos, que abrigaram grande parte dos conselheiros, ex-dirigentes e associados do clube, e até parcelas da torcida, mapeou o poder e partidarizou ideias e projetos dos agentes e pensadores gremistas, criando blocos de manifestação política.

Houve quem defendesse - e não foram poucos -, que os problemas de brigas políticas eram gerados pelos grupos e que estes serviriam de plataforma para as vaidades pessoais de alguns de seus integrantes. Ora, o próprio raciocínio embutido no argumento o invalida, pois as brigas políticas no clube nasceram antes dos grupos e vaidade pessoal casa mais com indivíduos e não com grupos.

Inobstante alguma parcela de verdade que o raciocínio contra os grupos possa conter, entendemos que a movimentação política da comunidade gremista, ao longo dos últimos anos, que gerou os 14 grupos que se identificam hoje no clube, são uma consequência natural do crescimento do Grêmio e uma manifestação inequívoca da democracia e da participação efetiva dos gremistas na vida do tricolor.

Sergei Costa
Mais recentemente, esta estrutura política oportunizou a criação de um Fórum dos Grupos Políticos, que se reúne, sob o comando do Presidente do Conselho Deliberativo do Grêmio, Raul Régis de Freitas Lima - criador da ideia -, onde, respeitosa e organizadamente, as tendências políticas tricolores constroem um diálogo franco, produtivo e eficaz, que está por trás do número recorde de votações do conselho gremista, entre outras grandes conquistas.

O surgimento desta nova instância gremista - embora não estatutária, mas coberta pelo manto da legitimidade natural, eis que expressão do conjunto das várias tendências políticas gremistas - nasce como um organismo plural, gerada pelo conjunto das forças políticas (grupos), que são acessíveis a todos os gremistas, inclusive aos não sócios e que tem em seus quadros, além de ex-conselheiros, ex e atuais dirigentes e mais de 80% dos membros do atual Conselho Deliberativo do clube.

Assim como no setor administrativo, onde o Grêmio precisa implementar seu planejamento estratégico, com o estabelecimento de uma gestão profissional, moderna e competente, também no plano político o clube precisa evoluir, buscando soluções estruturadas no diálogo e no interesse da instituição. E, sem dúvida, o exemplo do Fórum de Grupos Políticos é a grande novidade positiva da história moderna do Imortal Tricolor.

Sergei Costa